.mais sobre mim

Envia-me um e-mail

.pesquisar

 

.posts recentes

. Garrano

. Urso pardo

. Hamster

. O coelho

. Os Golfinhos

. Carta ao Verdinho - Escol...

. PATO-REAL

. A LONTRA

. O GANSO

. Melro-metálico

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

|ESPAÇO CRIANÇA| |DICAS VERDES| |DIAS AMBIENTAIS| |ANIMAIS|

|PLANTAS| |AMBIENTE| |HISTÓRIAS E JOGOS| |SONDAGENS|
Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Charrela ou Perdiz-cinzenta

Perdix perdix

 

 

Esta ave pertence à Familia Phasianidae, onde se incluem os faisões e outras perdizes. A espécie encontra-se actualmente Extinta no nosso país, sendo outrora uma residente nidificante no nosso território, especialmente nas terras altas de Trás-os-Montes e Alto Minho. Os registos mais recentes referem-se aos anos 50 (Parque Nacional da Peneda-Gerês e serra da Nogueira), mas a espécie poderá ter persistido na Serra de Montesinho até mais tarde.

 

Esta espécie faz o ninho no chão, geralmente em finais de Março, e deposita os ovos algumas semanas depois. É considerada a espécie de ave que mais ovos deposita: cerca de 15 ovos, a intervalos de 2 dias!!!

 

As crias, que abandonam o ninho algumas horas após a eclosão, necessitam de praticar uma dieta rica em proteínas, podendo chegar a consumir mais de 2000 insectos por dia! Dada a introdução de pesticidas e herbicidas em campos cultivados e a intensificação dos cultivos intensivos modernos que, dado o seu controlo, se encontram livres de ervas e por consequência, de insectos, as populações desta ave têm vindo a decrescer um pouco por toda a Europa.

Assim, os pesticidas, aliados a outras ameaças como o decréscimo da qualidade de habitats apropriados à nidificação e desenvolvimento das crias, a pressão dos predadores e, evidentemente, a mortalidade derivada da caça, contribuíram para o seu declínio.

 

As libertações para efeitos cinegéticos de faisões (Phasanius colchius) e de perdizes-vermelhas (Alectoris rufa) são prejudiciais, uma vez que os primeiros transmitem às charrelas um nemátodo que afecta a condição corporal e a taxa de reprodução e sobrevivência das últimas, aumentando ainda o risco de caça em locais onde se fazem libertações.

 

Existem actualmente exemplares desta espécie no Parque Biológico de Vinhais mas estes provêm de Centros de Recuperação, isto é, nasceram em cativeiro e por isso não conhecem o meio selvagem.

 

Se forem visitar o parque, facilmente poderás distinguir o macho desta espécie da fêmea uma vez que este apresenta uma mancha no ventre em forma de ferradura e cor de ferrugem.

 

O logótipo do Parque Biológico de Vinhais corresponde à silhueta de uma Charrela, uma vez que pretendemos salvaguardar esta espécie e dedicar-lhe a nossa atenção. 

 

O futuro desta espécie no nosso país poderá passar por repovoamentos em áreas onde se pratique uma agricultura livre de pesticidas (ou onde se utilizem apenas pesticidas selectivos), onde os indivíduos possam encontrar disponibilidade alimentar durante todo o ano, cobertura para os seus ninhos, refúgio de predadores e onde a caça seja conduzida de forma ordenada, respeitando as populações naturais.

 

Bibliografia consultada

Catry, P., Costa, H., Elias, G. & Matias, R. 2010. AVES DE PORTUGAL. ORNITOLOGIA DO TERRITÓRIO CONTINENTAL. ASSÍRIO & ALVIM, LISBOA.

 

Conteúdo desenvolvido por:

 

www.parquebiologicodevinhais.com

tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 10:59
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres